William Mendonça
POESIA, PROSA, MÚSICA E TEATRO
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Meu Diário
12/05/2009 00h00
BALAIO GERAL 12/05/2009
STAR TREK
Se vontade de ver filme bom matasse, eu já estava esturricado e essas mal  traçadas linhas não estariam sendo escritas ... Mas pretendo viver para ver Star Trek, o novo filme da franquia que retrata o início da saga de Jornada nas Estrelas com Kirk, Spock, McCoy e companhia. A julgar pelas críticas publicadas nos jornais do Rio, este é, sem dúvida, o melhor dos 11 filmes da franquia - até porque está nas mãos de um dos modernos gênios dos filmes de ação, J.J. Abrahms (o criador de Lost). Em O GLOBO, o proverbial "bonequinho" aplaudiu de pé Star Trek o que, até onde me lembro, é coisa inédita na franquia. No JB, três estrelas ("muito bom") e em O DIA matéria de meia página, rasgando elogios até dizer chega. Quem já viu no cinema - tanto os trekkers quanto os que não conhecem muito de Star Trek, também foram só elogios, por depoimentos colhidos em Niterói por fonte segura no último sábado. Tenho alergia a muvucas e filas, por isso não assisto filmes na primeira semana de exibição. Espero que os cinemas esvaziem um pouco - mas desta vez a ansiedade está grande. (Na foto acima, Zachary Quinto como Spock e Chris Pine como Kirk, no filme Star Trek)

O BOM E VELHO LARRY
A série C.S.I., um dos sucessos da TV que já gerou duas outras séries derivadas, está passando por grandes mudanças de elenco. Alguns dos atores principais de temporadas passadas deixaram a série - Jorja Fox (Sara Sidle) e Gary Dourdan (Warrick Brown), ainda na temporada anterior, e William Petersen (Gil Grissom), o principal nome do elenco, na atual temporada. Como evitar a estranheza no público e substituir grandes nomes a altura. A receita vem de outra série veterana, Law & Order, que em suas quase 20 temporadas já teve várias mudanças de elenco, sem perder audiência. Desde que a saída dos personagens seja coerente, o público aceita. Para substituir Gil Grissom, entra em cena o Dr. Raymond Lagston, um médico criminologisca interpretado por ninguém menos de Laurence Fishburne. Para quem não está ligando o nome a pessoa, Larry é um dos principais atores de sua geração, interpretou Morpheus na trilogia Matrix, Othello no filme de Kenneth Branagh, e já fez muita coisa boa no cinema. É mais um ator da telona a procurar espaço nas série de TV, um mercado em franca expansão.

INVASORES PRIMITIVOS
Por falar em séries de TV, a HBO Family está exibindo uma série inglesa de poucos episódios mas de muito potencial - Invasores Primitivos (Primeval). O mote da série não é absolutamente original, mas é bem explorado: começam a surgir em Londres várias anomalias temporais que abrem caminho para outras épocas no planeta, principalmente no passado distante onde reinavam dinossauros e outros monstros. É formada uma equipe de cientistas com o apoio do governo, para estudar, controlar e, se possível, acabar com as anomalias, enquanto tentam evitar o pânico com o surgimento de animais como um tigre dente-de-sabre em um parque de diversões ou um mamute numa rodovia. A HBO exibe as duas primeiras temporadas e, na Inglaterra, está no ar agora a terceira. Douglas Henshall intepreta o professor Nick Cutter, líder da equipe que investiga as anomalias, com o apoio de Connor (Andrew Lee Potts), Jenny (Lucy Brown), Stephen (James Murray) e Abby (Hannah Spearritt). É boa diversão para toda a família.

INSTANTÂNEOS DO PASSADO
Quem acompanha este site já deve ter lido a crônica "Um olhar sobre o passado", sobre a exposição Instantâneos do Passado, com fotografias que registraram pontos históricos e sentimentais de Itaboraí - RJ no início da década de 90. O material é um verdadeiro documento histórico, produzido com a cara e a coragem pelos então jovens fotógrafos Marlus Suhet, Ronaldo Soares e Márcio Soares.  Na crônica, eu reclamo da falta de atenção das autoridades com esse material - que poderia virar livro, site, cartões postais da cidade, qualquer coisa para registrar a ponte entre o passado e o futuro que a exposição marcou. Itaboraí, na época, estava em franca decadência, mesmo tendo sido uma das cidades mais importantes do Rio de Janeiro no século XIX. Hoje, com os investimentos gigantescos da Petrobras na cidade, Itaboraí vive dias agitados, com mais dinheiro e mais gente. Melhor ainda, Itaboraí hoje tem um verdadeiro artista na Secretaria de Cultura, o produtor cultural e roqueiro Sérgio Espírito Santo. Ele está tocando o projeto que vai transformar os Instantâneos do Passado em um livro de alta qualidade, do jeito que os fotógrafos e o povo de Itaboraí merecem. Mais notícias nos próximos dias.

O PAPA É POP?
Acabo de ler que Bento XVI esteve em Israel, no Muro das Lamentações. Hum, bem apropriado ... Que saudades de João Paulo II.

A FERRARI FORA
Balaio também é esporte. A Ferrari está ameaçando deixar a Fórmula 1 em 2010, se houver mais uma mudança de regulamento - a criação de um teto de gastos para as equipes. Como é a mais tradicional equipe da principal categoria do automobilismo mundial, a Ferrari faz a ameaça certa de que não vai precisar cumpri-la. Veremos.

GALVÃO NA ESTRADA
Está passando no Esporte Espetacular, na Globo, e no canal Sportv, a série de entrevistas "Galvão na estrada", com o locutor Galvão Bueno. Ele está encontrando os principais nomes do esporte brasileiro que vivem na Europa - Kaká, o goleiro Julio César, o ex-lateral e atual dirigente do Milan Leonardo, Rubens Barrichello e, no próximo programa, Felipe Massa. Parece que, enfim, encontraram algo melhor para o Galvão fazer, já que na maioria das transmissões ele sempre tenta ser, além de locutor, também repórter, comentarista, diretor do programa, etc. Galvão é um grande ego, que supera em muito o personagem que ele criou para si próprio, mas os programas têm sido surpreendentemente bons. Ele tem a vantagem de deixar os entrevistados, que considera sempre seus amigos, sempre à vontade. Isso, numa entrevista, faz toda a diferença.

PLAY TV
Fiquei um tempo tentando entender qual é a onda do canal PLAY TV, que há alguns meses faz parte da programação da SKY mas já tem muito mais tempo de existência. A mistura de jogos com música e cinema nem sempre dá certo - às vezes, o canal fica parecendo uma desordem sem tamanho, mas para quem está acostumado com a falta de senso da MTV tudo é possível. No entanto, dois programas chamam a atenção: o "Combo Fala+Joga", que leva artistas para serem entrevistados enquanto jogam uma partida de vídeo-game, e a ótima idéia de que os espectadores sugiram músicas para servirem de trilha para os games, criando clipes muito interessantes com as caprichadas animações dos jogos. Pode parecer pouco para salvar um canal inteiro, mas, na mediocridade reinante, é digno de elogio.

JÔ NO PROGRAMA DE GABI
Marília Gabriela é uma grande jornalista, que sabe conduzir um entrevista como poucas pessoas na TV. No entanto, em sua fase mais recente no canal GNT, está meio burocrática, entrevistando gente que o público mais ouviu falar ou perguntando o óbvio, quando não as duas coisas juntas. Na entrevista de Ronaldo Fenômeno, não fez nenhuma daquelas perguntas que todos queríamos fazer, limitando-se a endeuzar o cara - que é um exemplo de recuperação, mas tem tudo na mão para ser assim. Espero que a aguardada entrevista de Jô Soares no programa de Gabi, nesta semana, não seja mais do mesmo. O Jô, que conduz um programa diário de entrevistas e é obrigado a conviver com a irregularidade na qualidade de seus entrevistados, é, por si só, um grande personagem. Os dois são amigos e é provável que o papo seja bom. Veremos, e comentaremos depois.
Publicado por William Mendonça
em 12/05/2009 às 00h00
 
10/04/2009 20h00
UM TEXTO MAIS QUE MIL

Pois é. Hoje vou falar de estatísticas.
A motivação é simples: a crônica "Orfeu, o mito reintentado" é o primeiro texto do site a passar de mil acessos. É uma marca respeitável, acredito, para um site pessoal de um artista pouco conhecido, para dizer o mínimo. Não sei qual é a mágica desse texto em particular, pois o tema que mistura o personagem mitológico à poesia de Jorge de Lima e ao teatro de Tom e Vinícius nunca me pareceu "pop" ou óbvio. No entanto, é "Orfeu..." o texto que lidera a lista dos mais lidos do site há mais de um ano.
Também não sei bem para que servem essas estatísticas, mas fico colecionando os números, dizendo que vão orientar o meu trabalho. Bobagem! Poucas vezes utilizei esses números para algo útil.
Mas, mesmo assim, vou deixar alguns aqui, caso você, caro leitor, se interesse.

O site www.williammendonca.com atualmente tem uma média de 85 leituras por texto e 180 acessos por áudio (músicas e humor). O blog do site é a área mais acessada, com a média de 185 leituras por post (olha só você aqui, fazendo a estatística ...). A área menos visitada (infelizmente) é o espaço para download gratuito dos meus livros, hoje com a média de 54 downloads por título. Quando criei o site, os e-books eram a minha diversão favorita, mas, fazer o quê ...
Outro dado legal é o bom desempenho das biografias no site. O texto sobre Stanislaviski, gênio do teatro, por exemplo, já o quinto mais lido por aqui, mesmo tendo sido publicado dois anos depois de "Orfeu, o mito reinventado". A média de leituras das biografias chega hoje a 146 por texto.


Muito obrigado pela sua paciência, com este "show de números" e pelas visitas.
Até a próxima!

Publicado por William Mendonça
em 10/04/2009 às 20h00
 
13/03/2009 09h00
CINCO ÚLCERAS DEPOIS
   Meu último contato aqui, com os leitores do site, foi há quase três meses – no meu aniversário de 40 anos. Pois é, janeiro e fevereiro depois, pouquíssima coisa teria mudado em minha vida, não fossem as cinco úlceras – duas grandes no esôfago e três miúdas no estômago – que deram o ar da graça nesta semana. A dor insuportável, como se tivesse um bicho vivo me comendo as entranhas, me levou ao hospital subitamente.
   Em quase cinco anos de trabalho no BB, é a primeira vez em que sou vencido por uma doença e não consigo trabalhar. Fiquei constrangido por deixar meus colegas na mão, em um período difícil, e mais ainda pelos erros que cometi.
   Agora, depois de mais de dois dias sem conseguir comer nada, muitas coisas edificantes que te fazem ver o valor real do homem – tipo vômito, diarréia, suores absurdos, dependência total dos outros, hospitais públicos abarrotados, etc – consigo ver minha vida, aos 40, sob nova perspectiva. Talvez fosse o baque, a mudança de que eu precisava, para iniciar uma nova caminhada.
   Estou comendo feito um bebê, a cada três horas, com legumes e frutas amassados, vivendo à base de remédios, fraco e tentando voltar ao trabalho antes que o patrão perceba que está bem melhor sem mim, que não faço falta – mas para isso, talvez já seja tarde.
   Pelo menos tenho aqui, no site, um espaço para dizer o que sinto e penso. Sinto ainda muita dor e não sei se consigo retornar ao dia-a-dia de estresse que tenho, se bem que esse estresse nem sempre vem do trabalho. Sinto medo de sentir tudo isso de novo. Penso que talvez devesse rever minhas escolhas.
   Nessas horas, a família faz toda a diferença. Sem minha mulher e meus filhos, se eu fosse um ermitão, teria me rendido à dor e à tristeza nisso tudo.
   Nessas horas a gente pensa em quanto se maltrata ao logo da vida. Minha vida profissional, no jornalismo e no banco, minha forma de me alimentar, meu gosto pelo infalível cafezinho, foram verdadeiras fábricas de úlceras. Agora que elas mostraram a sua cara numa endoscopia e seu poder em uma semana de agonia, sei que vou me comportar melhor.


Em tempo: nem só de dor vive o homem. Na véspera da crise das úlceras escrevi um conto de ficção científica à brasileira, um argumento que surpreendeu até a mim mesmo. Se você já leu até aqui, e ainda tiver um tempo, leia também “O tempo de tudo”. Voltamos em breve.

Publicado por William Mendonça
em 13/03/2009 às 09h00
 
26/12/2008 16h00
O DIA Q

O meu amigo Ricardo Mann, que já possou por esta experiência, o chamou de "Dia Q", o dia em que a gente completa 40 anos de vida.

26 de dezembro de 2008 é o meu "Dia Q" - e estou aqui tentando publicar alguma coisa no blog como se nada na vida tivesse mudado nesta data, o que, com certeza, não é verdade. Mudam as perspectivas, porque a noção de tempo ganhou mais urgência. Não que eu me sinta no fim da vida mas, é fato, me sinto pelo menos "no meio" da vida.

Para comemorar, a família reunida, pois para mim isso é o que mais importa. Os amigos, até pela data espremida no meio das festas de fim de ano, nem sempre podem estar presentes, mas mandam lembranças, mensagens na internet, etc. Isso também importa muito.

O resto, como diria o imortal Hamlet, de Shakespeare, é silêncio - por mais barulho que faça. A vida tenta nos envolver num turbilhão de coisas desimportantes para nos desviar do que vale a pena. Procuro sempre fugir dessa armadilha, mas confesso que nos últimos dias o estresse tomou conta. Que bom que estresse é coisa que dá e passa.

Agradeço aqui as mensagens dos amigos da internet, a turma do orkut, os leitores do site, quem pintar por aqui, enfim. Um abraço a todos e felicidades!

Publicado por William Mendonça
em 26/12/2008 às 16h00
 
21/10/2008 20h30
UM "HINO" PARA OS CORRUPTOS

Não se trata exatamente de uma homenagem ... É, acima de tudo, um protesto contra a corja dos ladrões do "colarinho branco", contra os políticos sem vergonha na cara que usam o dinheiro público e contratam aquele monte de parentes, contra os corruptos em geral.
O "Samba do Corrupto" é um samba de breque, no melhor estilo do saudoso Moreira da Silva, que compus para a Rádio Nojenta & Oito e agora chega aqui aos site. É interessante que, mesmo 20 anos depois de ter sido composto (e gravado) o samba permanece absolutamente atual.
Os corruptos continuam por aí - roubam na maior cara de pau e ainda soltam a famosa frase "sabe com quem está falando?". Há, também, os pequenos corruptos, os ditos cidadãos comuns que vivem querendo levar vantagem, sem se preocupar com a tristeza e as dificuldades que podem causar ao próximo.
A todos esses - corruptos do meu Brasil e, por que não dizer, do mundo também - é que dedico o "Samba do corrupto". E, para todos nós que somos vítimas desses personagens, fica aqui como um desabafo.

Ouça:
SAMBA DO CORRUPTO

Publicado por William Mendonça
em 21/10/2008 às 20h30
Página 10 de 18
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 »
Efuturo: Selo Escritor