William Mendonça
POESIA, PROSA, MÚSICA E TEATRO
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
CHACAL
A vida é curta para ser pequena

   Dos vários livros lançados em sua trajetória como poeta, iniciada em 1971, aquele cujo título define de forma mais precisa a atitude de Ricardo de Carvalho Duarte, o popular Chacal, perante o mundo seja “A vida é curta para ser pequena”, que comemorou seus trinta anos de atividade em 2001. Nascido no Rio de Janeiro em 24 de maio de 1951, ele é considerado um dos expoentes da chamada “poesia marginal”, ou “geração do mimeógrafo”, dos anos 70 e continua fazendo poesia e produção cultural de qualidade atualmente.
   Chacal já causava furor no início dos anos setenta, com seus livros e performances, que aconteciam na rua, em bares, onde houvesse espaço, quando foi “descoberto” por Heloísa Buarque de Hollanda na coletânea “26 poetas hoje”, ao lado de Cacaso, Ana C., Eudoro Augusto e Francisco Alvim, entre outros. Sua poesia, que Paulo Leminski definiu como “lúdica”, sempre esteve próxima do coloquial, com jogos de palavras, pronta para ser falada, não apenas lida.  Publicou vários livros de poesia, como “Muito Prazer, Ricardo” (1971), o livro/envelope “Preço da passagem” (1972) e “Nariz Aniz, Boca Roxa e Olhos Vermelhos” (1979).
   Cria da típica classe média carioca, Chacal chegou a ser atleta, jogando futebol de salão, no Fluminense, e vôlei. Fez seus estudos em plena efervescência do movimento estudantil, durante a Ditadura Militar, nos Colégios Mallet Soares e André Maurois. Em 1972 e 1973 fez uma viagem pela Europa. Na volta, cursou Comunicação Social na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), graduando-se em 1977. No mesmo ano, integrou o grupo Nuvem Cigana, com Bernardo Vilhena, Charles Peixoto, Guilherme Mandaro, Ronaldo Bastos e Ronaldo Santos.
   Pode-se dizer que, nos últimos quarenta anos, Chacal esteve sempre no olho do furacão cultural do Rio de Janeiro – estando presente em quase tudo que realmente inovava. Foi co-autor de peças de teatro do grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone (embrião do grupo musical Blitz), editou os jornais do Circo Voador e do Museu de Arte Moderna, foi parceiro musical de Jards Macalé, Lulu Santos, Mimi Lessa e Moraes Moreira, entre outros. Além disso, foi cronista do Correio Braziliense e da Folha de S. Paulo.
   A partir 1990, Chacal conseguiu, de certa forma, reviver o clima cultural de seu início na poesia, como produtor do Centro de Experimentação Poética - CEP 20000, da Rioarte que vem reunindo a vanguarda cultural carioca, revelando novos poetas.


(Parte da coletânea HISTÓRIAS DE POETAS, de William Mendonça. Direitos reservados.)
William Mendonça
Enviado por William Mendonça em 14/11/2009
Alterado em 18/04/2019
Comentários