William Mendonça
POESIA, PROSA, MÚSICA E TEATRO
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos

CORAÇÃO

Máquina. Marionete implícita
de realidades cada vez mais
ínfimas. Finito como o tempo
dos relógios que quebram.
Máquina. Engrenagem desprezada
do quebra-cabeças. Parte sem
todo. Verso sem arte. Brilho
que não nasce porque é vão.
Mais que o pouco que sinto,
menos que todo o resto. Máquina;

mais que o muito que sofro,
menos que toda a cura. Máquina:
coração que só faz pulsar
sem qualquer motivação aparente.

William Mendonça
Enviado por William Mendonça em 12/05/2008
Comentários
Efuturo: Selo Escritor