William Mendonça
POESIA, PROSA, MÚSICA E TEATRO
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
MOTIM

Vou sabotar as últimas estrofes,
Mas antes, eloquente, tecerei
O que alguém chamaria de soneto,
Mesmo sem mapas, rimas ou certezas.

– Porque sou quem recorta as peças, sou
Quem embaralha as linhas deste obtuso
Quebra-cabeças, quem jamais revela
O que sente, moral de luz e sombra.

Afundo meus delírios de vitória
E tranco portas como se as abrisse,
Pois sigo amotinando meus navios.

Se, tão falível, planto o rumo incerto
que seus olhos percorrem sem saber,
fique atento – poesia é puro abismo. 

(Direitos reservados)
William Mendonça
Enviado por William Mendonça em 24/06/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Efuturo: Selo Escritor