William Mendonça
POESIA, PROSA, MÚSICA E TEATRO
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
03/08/2010 16h00
DE VOLTA
Caros amigos,

O site www.williammendonca.com está de volta, depois de alguns meses, em que várias dificuldades operacionais nos deixaram fora do ar. Agradeço a todos os que perguntaram pelo site, que incentivaram o retorno e aqueles que, simplesmente, sentiram falta daquilo que escrevo e publico neste espaço há quase quatro anos.
Nesta semana, recomeço a publicação de textos.

Estamos juntos de novo.

Um grande abraço a todos!

Publicado por William Mendonça em 03/08/2010 às 16h00
 
13/11/2009 12h00
LANÇAMENTO DO JORNAL O VERBO
No dia 12 de novembro, depois de seis anos desde o seu último número, voltou a circular o jornal O VERBO, marcando definitivamente minha volta ao jornalismo. Inicialmente, será um veículo quinzenal, mas em 2010 é projeto torná-lo semanal, circulando em Tanguá e Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio.
É um momento especial, pois a capa deste, que é o número 3, faz referência ao lançamento do livro de fotografias "Instantâneos do Passado", projeto do qual participei escrevendo textos e realizando entrevistas com os três fotógrafos, Marlus Suhet, Ronaldo Soares e Márcio Soares. O jornal traz a coluna "Tira-gosto", de Marcelo Quaresma, matérias sobre Tanguá e Itaboraí e a coluna "Salada Cultural", assinada por mim, que você pode ler no post abaixo.

Caso queira receber uma cópia em PDF de O VERBO, solicite no formulário de contato aqui do site.

Publicado por William Mendonça em 13/11/2009 às 12h00
 
12/11/2009 17h00
SALADA CULTURAL 12/11/2009
SALADA
Como já tive a oportunidade de anunciar no jornal REAÇÃO, será inaugurada neste mês a locadora, lanchonete e lan house SALADA CULTURAL – um local onde eu e minha família vamos unir algumas paixões comuns, como filmes, música, literatura, comida e Internet. A idéia é que a SALADA CULTURAL, ao longo do tempo, se transforme em um pequeno centro cultural no bairro de Duques, em Tanguá, onde, de fato, as opções são poucas. Além da vídeo-locadora e do acesso à Internet, vamos disponibilizar grande parte do nosso acervo de 3 mil livros (10% deles para crianças), para pesquisa ou simplesmente para diversão. Por conta disso, a coluna cultural de O VERBO, jornal que criei e estou reativando a partir desta edição, assume o mesmo nome e pretende manter o mesmo conteúdo eclético.

DINHO OURO PRETO

Uma das pessoas mais legais do rock brasileiro é, sem dúvida, o cantor Dinho Ouro Preto (foto), do Capital Inicial. Por isso, causou ainda mais espanto o grave acidente que ele sofreu durante show da banda na cidade de Patos de Minas. Dinho caiu de costas do palco, numa altura de três metros, batendo com a cabeça. As fotos que circularam na Internet, mostrando o cantor todo ensangüentado, e a falta de maiores informações, fizeram muita gente crer que Dinho iria engrossar a já extensa lista de tragédias do rock nacional mas, aparentemente, apesar na gravidade e de ainda estar recebendo tratamento intensivo, ele vai escapar dessa.

LÉVI-STRAUSS

O antropólogo Claude Lévi-Strauss, que faleceu no início do mês aos 100 anos, tinha uma grande relação com o Brasil, que foi o local de suas mais importantes pesquisas e expedições. Recentemente, foram descobertas correspondências entre ele e a antropóloga Heloísa Alberto Torres, da década de 30, quando ela era diretora do Museu Nacional. Sua morte foi manchete em vários dos principais jornais do mundo, primeira página do Le Figaro e do Le Monde (maiores jornais franceses) e um extenso obituário no New York Times. Pena que o Consulado Francês no Rio, poucos dias antes do falecimento de Claude Lévi-Straus, não via “tanta importância nem motivo para tantas homenagens” para esse homem de cultura.

PATRIMÔNIO IMATERIAL
O Departamento de Patrimônio Imaterial e Difusão Cultural, ligado à Casa de Cultura de Itaboraí, faz um trabalho importante de resgate e valorização de todas as manifestações ou, como preferem os técnicos hoje em dia, referências culturais – a dança, o teatro, a folia de reis, a capoeira, as quadrilhas de festa junina, e muitas outras. O Departamento tem participação importante em eventos como o que vai marcar o Dia do Samba, em 2 de dezembro, no qual serão premiados diversos nomes de destaque no samba itaboraiense. Dirigido por Allan Motta, professor de dança que está mostrando empenho e eficiência em sua primeira experiência na administração pública, o Departamento coloca no ar no início de novembro o blog da Casa de Cultura (casadeculturaheloisaalberto torres.blogspot.com) e leva a Casa ao Orkut e ao Twitter. Além disso, está cadastrando os artistas da cidade, para obter um quadro atual da produção cultural na cidade. Allan Motta pede que se você, leitor desta coluna, trabalha com alguma atividade artística, cultural ou folclórica em Itaboraí, procure o Departamento de Patrimônio Imaterial, na Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres, que funciona diariamente das 9 às 17 horas.

INCONSCIÊNCIA

A Ampla “empurrou” para Itaboraí um projeto que seria realizado em Búzios, mas que foi cancelado por lá. Como eram atrações interessantes do ponto de vista cultural, o projeto “Consciência Ampla” seria até interessante para a cidade, não fosse a forma atabalhoada como foi realizada. Primeiro, a Ampla impôs certos locais, como a realização de palestras no Teatro Municipal e não na Casa de Cultura. Segundo, a escolha de datas foi péssima, realizando um evento de grande porte no meio dos feriados do Dia do Servidor Público e do Dia de Finados. Terceiro, pela má divulgação entre quem teria maior interesse em participar, como professores e pesquisadores, estudantes e gente ligada em cultura. Roberto da Matta, Marina Colassanti e Ferreira Gullar – intelectuais de renome nacional – falaram para meia dúzia de gatos pingados. Até os shows tiveram menos público do que a tradição de grandes eventos que Itaboraí formou nos últimos anos. É a velha história: o que começa mal, geralmente, não acaba bem.

DESTAQUES:

PEDRA BONITA
Tanguá tem um novo espaço para shows, o Restaurante Pedra Bonita, que fica no posto de gasolina do mesmo nome, em frente ao viaduto no Centro da cidade. É um espaço bem transado, com atendimento de qualidade e preços que não assustam ninguém, por onde já passaram artistas como Sheila Sá e banda Quatro Estações e a dupla Gilson e Marizete.

SKATE ROCK
Dois eventos que já viraram tradição em Itaboraí, pela grande mobilização dos jovens, estão confirmadíssimos: o Skate Rock, que terá sua 18ª edição em novembro, e o Dia de Luta Contra a Aids, que, como sempre, vai rolar em 1º de dezembro. Vale destacar o pioneirismo dessas iniciativas, que surgiram no início da década de 90 pelo empenho de Sérgio Espírito Santo e amigos, numa época em que os skatistas eram de certa forma marginalizados e em que falar sobre Aids ainda era um tabu na cidade.

INSTANTÂNEOS

O lançamento do livro "Instantâneos do Passado" será dia 12 de novembro, quinta-feira, a partir das 19 horas, com apresentação da Orquestra de Cordas da Grota, na Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres, em Itaboraí. Entrada franca.

(Coluna publicada no jornal O VERBO, de Tanguá / Itaboraí, em 12 de novembro de 2009)

Publicado por William Mendonça em 12/11/2009 às 17h00
 
05/11/2009 14h01
UM LIVRO PARA A HISTÓRIA
Itaboraí lança livro “Instantâneos do Passado”
e resgata seu patrimônio histórico e arquitetônico

 
   A Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres, em Itaboraí, vai receber dois grandes presentes na Semana da Cultura. No dia 12 de novembro, acontecerá o lançamento do livro “Instantâneos do Passado”, que resgata o patrimônio histórico e arquitetônico da cidade, através do acervo fotográfico que fez parte de exposição com o mesmo nome, realizada em 1992. No mesmo dia, será inaugurado o novo jardim da Casa de Cultura, trabalho realizado pela Fundação Jardim Botânico do Rio, através de uma parceria com o Ministério do Meio Ambiente.
   O livro “Instantâneos do Passado” reúne as fotos de Marlus Suhet, Ronaldo Soares e Márcio Soares, que integraram uma exposição que marcou época na cidade, realizada em 1992. Na ocasião, os jovens fotógrafos percorreram locais importantes para a história da cidade, muitos deles mal conservados e até mesmo abandonados, para fazer um registro quase poético daquele momento. Havia o medo de que muita coisa fosse irremediavelmente perdida em pouco tempo, o que transformou o trabalho em um importante documento histórico para Itaboraí.
   Produzido por Sérgio Espírito Santo, atual gestor da Cultura no município, com o design gráfico da elogiada profissional Fernanda Villa-Lobos e textos do jornalista William Mendonça, o livro surge no momento em que Itaboraí volta ao noticiário do Rio por receber o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), que vai gerar mais de 200 mil empregos e está em fase de implantação. “O trabalho acabou adquirindo uma relevância maior por ter sido pioneiro e por registrar prédios do período colonial e ruínas de quatro séculos, como a do Convento de São Boaventura”, relembra Marlus Suhet, que foi o idealizador da exposição original.
   O novo jardim da Casa de Cultura é o resultado de uma solicitação de Sérgio Espírito Santo ao ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que visitou o município na Semana do Meio Ambiente, em junho. Foram plantadas dezenas de mudas, doadas pelo Laboratório Social da Fundação Jardim Botânico, e feita poda das várias árvores do local. O projeto buscou aproveitar ao máximo o que já existia, como bancos e até restos de um portal antigo que estavam largados em um canto do jardim, por se tratar de um prédio histórico. “O principal cuidado nesta revitalização foi o de preservar a disposição original dos canteiros e dar destaque a flores, para realçar a beleza do local”, explica o coordenador técnico do projeto, Ney Alves Ferreira.
   O evento ainda terá a presença da Orquestra de Corda da Grota, de Niterói, em apresentação que acontece às 18 horas. A entrada é franca. Maiores informações na Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres, tel.: 3639-2022.

(Os leitores mais atentos devem ter percebido que participei do projeto do livro e também sou o autor deste press-release)
 

Publicado por William Mendonça em 05/11/2009 às 14h01
 
26/10/2009 23h50
INFORME CULTURAL 26/10/2009
MUSTANG 65
Tive o prazer de assistir a um show da banda Mustang 65 (foto acima), com seu repertório de rock dos anos 60 e 70 (e até uma pitada dos 80), que traz algumas canções bem raras de encontrar nos shows por aí – como “Aqualung”, do Jethro Tull, e “Black Knight”, do Deep Purple. Foi no Dragon Jack Rock Club, em Itaipu, Niterói, no dia 24. Formado por Caio Mattos (guitarra, violões, gaita e vocal), Luciano Barbosa (guitarra e vocal), Luiz Cláudio (baixo e vocal), Ricardo Mann (teclados) e Ayrton Júnior (bateria), o Mustang 65 toca também composições próprias, numa levada de rock e blues, e tem tocado bastante no circuito de shows do Rio, Niterói e em diversos motoclubes do Estado. Outro ponto alto é o clima descontraído, como uma reunião de amigos que resolvem tocar o que gostam. No set list do show, outras pérolas como “Proud Mary”, “Sultans of swing”, “Carry on my wayward son”, “While my guitar gently weeps” e “Layla”.
Nota: na coluna que saiu no jornal não fiz menção ao convidado de luxo que a banda teve no show do Dragon Jack - o guitarrista Christian Zanzibah, que tocou todo o primeiro set de músicas. Deu pra ver que é uma alma rock`n`roll e um guitarrista que toca com técnica e sentimento. Como o jornalista aqui foi ao show para se divertir, não anotou o nome do guitarrista, a informação ficou faltando na matéria. Falha nossa!

AFROREGGAE
O AfroReggae talvez seja, ao lado do Grupo Nós no Morro, a iniciativa sócio-cultural mais bem sucedida do Rio. A cultura ali é utilizada como meio de transformação social – oferece ao jovem das comunidades carentes uma forma de se expressar e, ao mesmo tempo, o aprendizado de uma profissão. Por tudo isso, causa indignação o assassinato do coordenador de projetos do AfroReggae, Evandro João Silva, em um assalto. Mais ainda – dois policiais militares, um deles capitão, com a vítima ainda agonizando na calçadas, liberaram os marginais e ficaram com o produto do roubo, um par de tênis e uma jaqueta. Por sorte, foram flagrados por câmeras de vigilância e, esperamos, serão punidos. Como vale pouco a vida humana no Rio de Janeiro hoje em dia!

LULA NO CINEMA
Estréia no Festival de Cinema de Brasília, fora da mostra competitiva, o filme sobre a vida de Luis Inácio Lula da Silva – a mais cara produção do cinema brasileiro de todos os tempos, na casa dos 16 milhões de reais. Dirigido por Fábio Barreto – o mesmo de “O Quatrilho”, que já concorreu ao Oscar – “Lula, o Filho do Brasil” conta a trajetória do retirante, ex-torneiro mecânico e líder sindical que se tornou presidente. No entanto, mesmo com a garantia dos produtores de que o filme não levou dinheiro público, fica a sensação de que foi feito numa hora inoportuna. Seria melhor aguardar o fim do mandato de Lula para filmas, ou pelo menos para lançar, a sua biografia, pois haveria menos uso político do cinema.

DIA DO SAMBA
No dia 2 de dezembro, Itaboraí vai realizar um evento para comemorar o Dia Nacional do Samba. A Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres vai receber uma exposição, com a memória do samba na cidade. Vão ser exibidos dois documentários e haverá a premiação a quem contribuiu para o engrandecimento do samba na cidade. No palco, que será montado em frente à Casa de Cultura, vão se apresentar a Banda Municipal, oito casais da Escola de Mestre Sala e Porta Bandeira do Estado do Rio e a sambista Ircéa Pagodinho, irmã de Zeca Pagodinho. Ela é considerada uma das grande vozes da sua geração e recebeu o Prêmio Sharp de revelação em 1988 por seu 1º disco “Feito Diadema”.

ITABORAIENSES NA UERJ
Não estou falando dos vivos – os estudantes ou até professores da Uerj que nasceram ou moram em Itaboraí. Falo dos itaboraienses ilustres do passado que, segundo fonte segura, têm lugar de destaque na Biblioteca da Uerj de São Gonçalo. Joaquim Manoel de Macedo e Alberto Torres. Do escritor de “A Moreninha”, além de sua obra literária, é possível encontrar por lá até a tese de formatura em Medicina, que tratava da cura da melancolia, com seu estilo literário inconfundível. Já Alberto Torres é o assunto de vários livros – biografias, teses, resenhas sobre sua obra, alguns classificados como obras apenas para consulta no local, por sua raridade.

INSTANTÂNEOS
Estou participando da produção do livro “Instantâneos do passado”, que a Casa de Cultura Heloísa Alberto Torres está realizando. Será, realmente, um trabalho de alta qualidade. Primeiro, pelo acervo fotográfico produzido por Marlus Suhet, Ronaldo Soares e Márcio Soares em 1992, mostrando o estado do patrimônio histórico e artístico da cidade à época. Segundo, pelo trabalho caprichado da designer Fernanda Villa-Lobos, e pela produção de Sérgio Espírito Santo. Terceiro, pelas histórias super-interessantes sobre depoimentos dos três fotógrafos. Deve ser lançado em 10 de novembro, nas comemorações da semana da cultura.

COMCULTURA
É importante para Itaboraí sediar a II Conferência Intermunicipal de Cultura, neste mês, com a presença de gestores culturais de algumas das principais cidades do Rio. O evento, no dia 26 no Teatro Municipal João Caetano, prova mais uma vez que Itaboraí entrou no mapa cultural do Rio – e precisa aproveitar o bom momento. Preservar o patrimônio, apoiar a chamada cultura imaterial, as manifestações folclóricas, e, claro, fazer um verdadeiro trabalho de formação de artistas, aproveitando os talentos da cidade – da música à arte circense, das artes plásticas ao teatro. É um ponto que a administração municipal e até mesmo os deputados ligados à cidade devem prestar atenção, sob pena de perderem o bonde da História – que só passa uma vez.

EU E A LOCADORA
Quem já acompanha esta coluna sabe que os filmes sempre estão presentes por aqui. Se não posso dizer que sou um cinéfilo (até porque Tanguá e Itaboraí não têm cinemas), sou certamente um dvdófilo – um rato de locadora. . Pois, naquela base de unir o útil ao agradável, devo inaugurar em novembro, ao lado da minha família, nossa locadora de vídeo, que será também lan-house e lanchonete. Vai ficar na Rua das Acácias, no bairro de Duques, e tem pretensões de se transformar num centro cultural. São sonhos que viram realidade e, por isso, ficam ainda melhores.

(Coluna publicada no jornal REAÇÃO, de Itaboraí-RJ, edição da 2ª quinzena de outubro de 2009)
 

Publicado por William Mendonça em 26/10/2009 às 23h50



Página 9 de 19 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]